Ausente Jogando CS

Counter-Strike 1.6 é o FPS (First Person Shooter) mais jogado no mundo inteiro, tanto em Lan-Houses quanto via Internet. Lançando em 1999 como um MOD para o também famoso Half-Life, o jogo coloca você para escolher entre duas equipes: “Terroristas” (tr) ou “Contra-Terroristas” (ct), cujo o objetivo no jogo depende do mapa em andamento, por exemplo: Em mapas com prefixo “de_” o objetivo dos Terroristas é plantar uma bomba, e os dos Contra-Terroristas evitar que isso aconteça, ou em caso de falha, desarmá-la. Em mapas com prefixo “cs_” o objetivo dos Terroristas é manter um grupo de reféns longes dos CTs até o tempo acabar, ou até todos adversários estarem mortos, e o dos CTs, obviamente é resgatar os reféns. Em mapas com prefixo “as_” os CTs devem escoltar um membro da equipe (chamado de VIP) até um certo local, o objetivo dos terroristas é matar o VIP ou a equipe de CTs. Obs.: O VIP só pode carregar uma pistola, e ganha colete reforçado. Obs.²: Existem outras variações de mapas, mas estes não são considerados oficiais pelas ligas profissionais de cs. Obs.³: Em qualquer mapa, pode-se vencer o Round eliminando a equipe Adversária. De diversão, para profissão Com a vasta popularização do jogo, não demorou muito para as grandes empresas do ramo dos games voltarem sua atenção para a nova sensação do momento, foi assim que nasceram varias ligas profissionais, tais quais: “ESWC”, “ESL”, “WCG”, “WEG” e a extinta “CPL” (que encerrou suas atividades em 2008). Obs.: No caso da ESWC funciona da seguinte forma: cada país tem as suas qualificações no qual qualquer clã pode ir a uma qualificação em uma lan-house em qualquer parte do mesmo país, passando depois às melhores equipes, as melhores equipes de cada país encontram-se depois no complexo da ESWC, localizado em Paris, para disputar o lugar da melhor equipe do mundo de Counter-Strike. Com a existência de ligas profissionais, é claro que também surgiram Jogadores com muito talento que se profissionalizaram (chamados PPLs) e fundaram seus próprios times (chamados clans), Ex.: Os Poloneses do “Meet Your Maker”, os Dinamarqueses do “mTw”, os Suecos do “Fnatic” e do “SK Gaming”, os Finlandeses do “Roccat”, os Belgos do “mousesports”, os Estado-Unidenses do “Evil Geniuses”, os Franceses do “emuLate”, os Alemães do “Team Alternate”, os Coreanos do “e-STRO”,entre outros.